Metodologia

O projeto adota uma metodologia comparativa multidimensional, recorrendo a dados de um conjunto alargado de países com distintos contextos históricos e institucionais.
Visa-se a modelação de contextos políticos para compreender a importância dos efeitos de líderes no comportamento eleitoral e em última análise na qualidade da democracia. Quatro tipo de contextos serão modelados:

    1. Contexto institucional: pretende-se testar de que forma é que diferenças no grau de poder do Primeiro-Ministro poderão ter um impacto nos efeitos de líder.
    2. Organização partidária: investigação anterior demonstrou que o tipo de partido (de massas ou eleitoralista) constitui uma variável significativa na mediação entre eleitores e voto. Este projeto aprofundará essa linha de investigação, avaliando a importância de outras características partidárias sobre os efeitos de líder.
    3. Contexto individual: lidará com a questão de saber quais os tipos de eleitores mais vulneráveis aos efeitos de líder, usando abordagens distintas, uma baseada no comportamento reportado e outra que tenta medir a relação entre emoções, pressupostos cognitivos e comportamentos. As pesquisas existentes sugerem que os líderes são mais importantes para os votantes que têm menos conhecimentos da política, mas não há consenso sobre este assunto. O projeto irá reanalisar o tema focando a relação entre identificação partidária, emoções e efeitos de líder.
    4. Contexto temporal: investigará o impacto dos líderes durante as campanhas eleitorais. Os líderes podem ter um papel importante no período que antecede o voto, na conversão, mobilização ou reforço da escolha partidária. Se os líderes servirem sobretudo para reforçar o voto concluiremos que são proxies da identificação partidária, se tiverem um papel importante na conversão entre aqueles com menos conhecimentos políticos podemos concluir que as imagens do líder estão a influenciar uma escolha com menos conteúdo político.